Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

cultura: o que é?

Loading...

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

KARL MARX: A TEORIA CRÍTICA


A sociologia crítica vai ter no pensamento marxista o seu referencial de análise, pois vai ser a partir do pensamento de Karl Marx que ela irá se desenvolver.

Marx nunca teve a preocupação de criar uma ciência, ou de se localizar em uma delas para desenvolver o seu estudo sobre a sociedade, e isto deu uma amplitude muito grande as suas teorias.

A sociedade não deve ser analisada apenas em um único aspecto, mas sim na sua totalidade. Marx tem como objeto de estudo a sociedade capitalista de sua época.

“Ao analisar o capitalismo, Marx apanha os fenômenos como fenômenos sociais totais, nos quais sobressaem o econômico e o político, como duas manifestações combinadas e mais importantes das relações entre pessoas, grupos e classes sociais. (...) todos os trabalhos de Marx são fundamentalmente, de interpretação de como o modo capitalista de produção mercantiliza as relações, as pessoas e as coisas, em âmbito nacional e mundial, ao mesmo tempo em que desenvolve as suas contradições”. (introdução escrita por Octavio Ianni do livro Marx editora Ática 5ª edição São Paulo 1987)

A partir da produção destes trabalhos que tinha como princípio explicativo a contradição é que muitos autores irão desenvolver vários trabalhos nos diversos campos do conhecimento.  Marx vai desenvolver seu método de análise da sociedade capitalista a partir do materialismo dialético e do materialismo histórico. Pois é na contradição que o capitalismo desenvolve o seu modo ser e de pensar. E o método dialético de Marx se fundamenta nas relações de antagonismo.

Os estudos marxistas buscam as relações dialéticas entre o trabalho humano e sua produção, estabelecendo entre ambos relações de identidade, negação e de superação ao mesmo tempo.


Para compreendermos melhor vamos ver os principais conceitos desenvolvidos por Marx.


Marx desenvolveu a

TEORIA DO  MATERIALISMO   HISTÓRICO.

Materialismo Histórico é uma tese do marxismo, segundo a qual o modo de produção da vida material condiciona o conjunto da vida social, política e espiritual. É um método de compreensão e análise da história, das lutas e das evoluções econômicas e políticas.

De acordo com essa teoria Marx afirma que:

a) Podemos conhecer a sociedade concreta a partir das relações das pessoas no processo produtivo de bens materiais e,

b) Buscando compreender o estágio de desenvolvimento que se encontram as forças produtivas.



“ O MODO DE PRODUÇÃO DA VIDA MATERIAL (base econômica da produção de bens materiais) CONDICIONA O DESENVOLVIMENTO DA VIDA SOCIAL, POLÍTICA E INTELECTUAL EM GERAL (superestrutura da sociedade).”

...a base da organização da sociedade é econômica, e a partir dessa organização surgem as outras estruturas da sociedade (instâncias políticas, jurídicas e ideológicas).


As relações sociais de produção podem ser entendidas como a organização e interação das pessoas  e das classes na sociedade, tendo em vista a produção material e a reprodução social, a manutenção e a ampliação das relações socio-político-econômicas.

                                      As forças produtivas são a terra, trabalho, capital e tecnologia: elementos essenciais à produção capitalista

              

Ao estudar o Capitalismo Marx afirmava que a jornada do trabalhador era composta da seguinte forma:

à Trabalho necessário = remunerado com o salário do trabalhador

                          +

à Trabalho excedente = mais valia , ou seja, o trabalho não pago e apropriado pelo capitalista, decorrente da exploração do trabalhador

(trabalho morto)

 


Em seu livro mais importante, O Capital, Marx afirmava que a nossa sociedade aparece inicialmente como um grande depósito de mercadorias

 

O processo de circulação simples de mercadorias 
                                     
   
Esse é o processo de circulação simples, onde o empresário A possui uma mercadoria e troca-a por dinheiro, e depois por outra mercadoria que satisfaça suas necessidades.
É importante notar que esse processo começa com uma mercadoria e termina com outra, que sai de circulação para satisfazer as necessidades de quem a adquiriu.  Podemos perceber também que a mercadoria caracteriza-se por
Possuir um valor de troca, isto é, uma capacidade para ser trocada e possui um valor de uso, isto é, uma utilidade.

O processo de formação do capital

Se a preocupação no processo de circulação simples de mercadorias é a realização das trocas de mercadorias (comércio), o que caracteriza o processo de formação do capital é a preocupação em produzir mercadorias (indústria).
Podemos representar esse processo da seguinte forma:
                                        
                                  
Neste processo, a pessoa A tem determinada quantia de dinheiro, que troca por uma mercadoria, para, em seguida, trocar novamente por dinheiro.  Por exemplo: a pessoa A possui R$ 200,00 e troca essa quantia por uma camisa, depois troca-a novamente por R$ 300,00, obtendo um lucro de R$ 100,00.
                 

 

A lei da Mais-Valia

Segundo Marx, é no momento em que o empresário compra a força de trabalho de seu empregado que nasce o processo de exploração capitalista.  Como?
O empresário, ao pagar o salário aos trabalhadores, nunca paga a estes o que eles realmente produziram.
Em outras palavras, se no processo D-M-D o empresário fica rico, é porque o trabalhador produz muito mais do que recebe, isto é, o empresário se enriquece às custas não do seu próprio trabalho, mas devido ao trabalho de seus empregados.
Para mostrar essa relação de exploração entre empresário e trabalhador, mostraremos um exemplo:
Se um empresário quiser, por exemplo, aplicar R$ 150,00 na fabricação de um par de sapatos para. obter lucro, deverá ter: uma certa quantia de couro (digamos R$ 10o,00), uma máquina,, cujo gasto para fabricação de um par de sapatos seja de R$ 20,00.  Suponhamos também que o tempo de trabalho para fazer um par de sapatos seja de quatro horas.
Sabemos que a força de trabalho é quem aplica através da máquina o trabalho necessário para transformar o couro em sapatos e criar, assim, maior valor na mercadoria.  A força de trabalho, porém, pertence a uma pessoa, e para essa pessoa trabalhar durante quatro horas, necessita de certos bens materiais de consumo que equivalem a um dia de sobrevivência (24 horas).  Vamos imaginar que o gasto para manter essa força de trabalho durante 24 horas seja de R$ 30,00.
Bem, até agora, o empresário, para fazer um par de sapatos, gastou: R$ 100,00 em couro, R$ 20,00 no uso de máquinas e R$ 30,00 em salário.  Total gasto para obter um par de sapatos: R$ 150,00; onde, então, está o lucro?
Esquecemos que o empresário, quando comprou a força de trabalho, comprou-a por R$ 30,00, e esse dinheiro representa 24 horas de uso da força de trabalho: mas o empresário só usou essa força por quatro horas.  Para obter lucro, basta aumentar a jornada de trabalho de quatro para oito horas.  Teremos: R$ 200,00 em couro, R$ 40,00 no uso de máquinas e R$ 30,00 em força de trabalho.  Total: R$ 270,00.
Vimos que o preço real do sapato é de R$ 150,00, mas aumentando a jornada de trabalho para oito horas teremos dois pares de sapatos que custam para o empresário R$ 270,00.  Agora, o empresário pode vender cada par a R$ 150,00, e terá, então, R$ 30,00, sendo que para fabricá-los gastou R$ 270,00.  A diferença de R$ 30,00 constitui o lucro, isto é,

O excedente de valor produzido que não é devolvido ao trabalhador, sendo apropriado pelo capitalista.  Isso é o que Marx define como a mais-valia
OU SEJA
SEGUNDO MARX -   acumulação de capital resulta do acumulo de mais-valia (parte que o trabalhador produz  e que não lhe é paga)
 
Concluindo podemos dizer:
OBJETIVO DE MARX era  estudar a sociedade de seu tempo (sociedade capitalista)

Nenhum comentário:

Postar um comentário